Achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR, Deus dos Exércitos. Jeremias 15:16

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Acautelai-vos dos falsos profetas - Mt 7:13-17

Acautelai-vos dos falsos profetas
Igreja Evangélica Presbiteriana
Domingo, 2 de setembro de 2012
Pr. Plínio Fernandes
Meus irmãos, vamos ler Mateus 7:13-17
13 Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), 14 porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela. 15 Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. 16 Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? 17 Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. 18 Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons. 19 Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. 20 Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis. 21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? 23 Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.24 Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha 25 e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. 26 E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; 27 e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.
Hoje nós vamos tratar de um tema sobre o qual falamos pouquíssimas vezes, mas que é de uma importância muito grande.
Nós pouco falamos sobre isto, pois, para falar com sinceridade, é um tema desagradável: desagradável porque nós, que cremos na salvação pela graça de Deus, e não com base em nossas obras, sabemos que quando julgamos alguém estamos correndo o risco de cometer o pecado da falta de amor e de condenação de outras pessoas, o pecado contra o qual Jesus nos adverte nos primeiros versículos de Mateus 7.
Além disto, temos o receio de dizer que não é de Deus algo que aparenta ser, e cair no mesmo pecado em que caíam os fariseus, ao atribuir a Satanás os milagres que Jesus realizava.Nenhum de nós quer atribuir ao d iabo aquilo que é de Deus.
Por outro lado, temos a necessidade espiritual de exercitar discernimento, com temor e tremor, pois no texto que lemos somos instruídos desta maneira. Jesus nos diz que se nós não prestarmos atenção às suas palavras, se não edificarmos nossa vida espiritual sobre aquilo que ele está nos ensinando, seremos como aquele homem tolo, que edifica a sua casa sobre a areia, e quando vêm os ventos e a chuva, e as águas dos rios transbordam, esta casa vem a arruinar-se. Então nós não podemos deixar de atender às palavras de Jesus, sob pena de arruinarmos a nossa própria fé.
No v. 15 Jesus dá a cada crente este mandamento: “Acautelai-vos dos falsos profetas...”
Então temos este dever diante de Deus, que nos é dado pelo Espírito Santo falando na Bíblia.
*     *     *
Vamos supor que você tenha um vizinho a quem conheça desde que vocês eram crianças. Na adolescência, este vizinho sofre uma queda e fica aleijado, sofrendo muito com isto. Mas um dia ele vem te fazer um pedido, e diz mais ou menos assim:
– Olha, eu ouvi falar que tem um pregador de fora da cidade que vai fazer uma grande conferência para a cura dos enfermos. Eu quero ir, mas preciso que alguém me leve. Você pode me levar?
E você vai com ele, para ajudar o seu vizinho. Quando chega ao lugar da conferência, o pregador abre a Bíblia e lê aquele texto que diz que “pelas pisaduras de Jesus nós fomos sarados”, e passa a explicar então que na morte de Jesus na cruz ele levou sobre si as nossas enfermidades.
E depois de pregar, ele olha para o seu vizinho aleijado e diz: “Em nome de Jesus eu te ordeno. Levanta-te e anda.”  E então, imediatamente, você vê o seu amigo levantar-se, caminhar normalmente, e até pular de alegria.
Não é uma coisa extraordinária? Você diria que este pregador é um homem de Deus? Ou você diria que não?
Mas vamos dizer que ele continue depois da pregação, e comece a explicar que o ministério dele precisa recursos para se desenvolver, e faça um grande apelo econômico. Antes de os obreiros “passarem a sacolinha” ele continua a explicar como funcionam os “kits” de CDs com as mensagens dele, os DVDs, o óleo ungido, o pedaço de rocha que veio do monte do Calvário, e explica que mediante uma pequena oferta você pode levar ela prá casa, ou pode lavar água da purificação, ou o livro que ele escreveu, que explica como você pode prosperar, e coisas parecidas.
Você compraria alguma destas coisas? Ou não? Você ofertaria para este ministério? Ou não? Você acha que procurar avaliar, discernir se este é um profeta, ou apóstolo verdadeiro ou não, é uma coisa necessária, ou você acha que isto seria cair no pecado condenado por Jesus no v. 1 deste capítulo?
Nós somos crentes que, historicamente, temos sido chamados “Reformados”, ou “Protestantes”.  Conforme entendemos, a Reforma foi uma das maiores manifestações da graça de Jesus e do poder do Espírito agindo através da Palavra de Deus, em transformar vidas, não só de maneira individual, mas até das nações e o curso da História.
Pois a Reforma aconteceu como fruto da busca de alguns homens sedentos de Deus, que se puseram a estudar a Bíblia, e nela descobriram o quanto a igreja, de modo geral, havia se desviado dos caminhos do Senhor, e então começaram a reformar, primeiramente a si próprios, e depois aos ensinamentos da Igreja.
Então, antes da Reforma, existiam dois grandes problemas, que eles se esforçaram por corrigir: de um lado, em grande medida, um afastamento do ensino bíblico.
E do outro, uma grande quantidade de falsos ensinos, como a salvação mediante os méritos da igreja, dos santos, ou da própria pessoa. Havia uma lista enorme de coisas que as pessoas podiam fazer para a salvação de suas próprias almas, ou de seus entes queridos. Havia a pregação do perdão dos pecados mediante o dar dinheiro para a igreja (indulgências), havia uma coleção enorme de objetos milagrosos, apresentados como possuidores de poderes espirituais (relíquias sagradas), e muitas outras coisas.
Então os reformadores colocaram em prática os ensinamentos de Jesus no texto que temos lido.
Primeiramente, eles eram homens preocupados com a salvação de suas próprias almas, e trataram de buscar a Deus, cuidaram de sua vida espiritual, alcançando a certeza da própria salvação por meio do arrependimento e da fé em Jesus. Buscaram entender a vontade de Deus, os planos de Deus para todas as coisas reveladas nas Escrituras, na plena certeza de que a Bíblia é a Palavra de Deus.
E como consequência disto, também começaram a cuidar da igreja, afastando os falsos ensinamentos e buscando ensinar com pureza o verdadeiro evangelho de Jesus.
“A porta é estreita,o caminho que conduz para a vida é apertado”, disse Jesus, e são poucos os que passam. Por outro lado, o caminho para a perdição é largo, espaçoso, e muitos passam por ele. E em seguida acrescentou: “acautelai-vos dos falsos profetas”.
Como se dissesse, se vocês querem passar pela porta que conduz à vida, se querem andar pelo caminho que conduz à salvação, tomem cuidado com os falsos profetas. Eles não conduzem a esta porta e a este caminho.
Alguns anos atrás conheci uma jovem que quase morreu por haver tomado remédio falsificado. Existem pessoas que falsificam remédios, visando lucro financeiro.
Existem pessoas que falsificam religião. Não estamos nos referindo àqueles que, fora do chamado mundo cristão se apresentam como profetas (islamismo, budismo, etc.). Para nós que somos crentes a falsidade de suas doutrinas é óbvia. Estamos falando sobre aqueles que, dizendo-se cristãos, falam falsamente em nome de Jesus. Este é o significado das palavras de Jesus no v. 15 - “Acautelai-vos dos falsos profetas” (NVI – tenham cuidado com os falsos profetas); tenham cuidado com essas pessoas que se apresentam diante de vocês como sendo gente de Deus, com mensagens trazidas como se fossem de Deus, mas que não são de Deus.
A advertência de nosso Senhor, por si só, já é motivo suficiente para prestarmos atenção a este assunto. Então nos dedicaremos a ele agora.
Desejo considerar com os irmãos as seguintes questões: Segundo a Bíblia, o que é um falso profeta? Quais são suas características? Porque são perigosos?
Estas três questões são tão interligadas que falar sobre uma é responder a outra, mas apenas para fins didáticos vamos mantê-las.
1. O que são “falsos profetas”?
A resposta é óbvia, não é irmãos? De acordo com a Bíblia, profeta é um homem que tem uma mensagem de Deus. Falso é tudo aquilo que se apresenta como verdade, mas não é. Então falso profeta é aquele que se apresenta como sendo um homem de Deus, mas não é.
Tanto o Antigo como o Novo Testamento nos alertam quanto à existência de pessoas que se dizem enviadas de Deus, mas não o são.
Por exemplo:
Jr 23:21 – Não mandei esses profetas; todavia, eles foram correndo; não lhes falei a eles; contudo, profetizaram”.
No cap. 29:21 dois deles são mencionados pelo nome: Acabe e Zedequias
21 Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel, acerca de Acabe, filho de Colaías, e de Zedequias, filho de Maaséias, que vos profetizam falsamente em meu nome: Eis que os entregarei nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e ele os ferirá diante dos vossos olhos.
No cap. 28 há também a história do falso profeta Hananias. Nós podemos perceber um contraste interessante entre muitos profetas de Deus e os falsos profetas. Aos homens enviados por Deus, muitas vezes faltava coragem para iniciar seu ministério, devido à seriedade do que isto significava (por exemplo, Moisés, Jeremias, Ezequiel, Isaías; Pedro, João; como Paulo disse, eram homens possuídos de temor e tremor).
Os falsos profetas não têm o senso de seriedade que estes homens de Deus tiveram. Deus não os chamou; não os enviou, mas eles são ousados ao usar o nome de Deus. Por isto, nos adverte Jesus, tomem cuidado, existem pessoas que falam em nome de Deus, mas que não são.
1.1 - Uma pessoa que se diz profeta, pode mostrar certa medida de ortodoxia (doutrina correta), pode fazer uma correta profissão de fé, e ainda assim ser um falso profeta.
v. 22 – Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor...
Bem, de acordo com Paulo, em 1ª Co 12:3, uma pessoa só pode dizer que Jesus é o Senhor se isto lhe for concedido pelo Espírito Santo. Então muitas pessoas acham que se estão ouvindo estas palavras da boca de alguém, significa que este alguém é um homem de Deus.
No entanto, a Bíblia nos diz que a confissão dos lábios só é real se vem acompanhada de um comportamento condizente com que os lábios dizem. Se os lábios estão falando falsamente tudo o que a pessoa diz é apenas um grande engano. Por isto, em Lc 6:46 Jesus pergunta: Porque me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos mando?
1.2 - Uma pessoa que se diz profeta pode demonstrar entusiasmo, fervor espiritual, e mesmo assim não ser uma pessoa de Deus
Novamente as palavras do v. 22 – Senhor! Senhor! Uma pessoa pode ser naturalmente emotiva; pode ser do tipo que chora com facilidade, que se entusiasma com facilidade, que desperta as emoções dos outros.
1.3 - Uma pessoa pode realizar coisas extraordinárias, em nome de Deus, e ainda assim não ser de Deus.
- Senhor! Senhor! Em teu nome nós profetizamos. Em teu nome nós expulsamos demônios! Em teu nome nós fizemos muitos milagres.
Este foi, por exemplo, o caso de Judas, enviado juntamente com os demais apóstolos a pregar o Evangelho nas cidades deles.[1]
Em contraste com isto, leiamos Jo 10:41 e 42
41 E iam muitos ter com ele e diziam: Realmente, João não fez nenhum sinal, porém tudo quanto disse a respeito deste era verdade.  42 E muitos ali creram nele.
O fato de uma pessoa realizar milagres em nome de Jesus, não significa que ela seja um profeta verdadeiro. Por outro lado, uma pessoa pode não realizar milagre algum, e ser um verdadeiro profeta, como foi o caso de João Batista.
Então veja, é como o remédio falso: a embalagem parece verdadeira, a cápsula, ou o vidro parecem verdadeiros, a cor parece verdadeira. Mas se você tomar um remédio falso, você pode morrer. Da mesma forma, se você acreditar nos falsos profetas, a sua fé pode ser enfraquecida e destruída. Você corre o risco de não acreditar mais no verdadeiro evangelho.
Isto nos leva então à segunda questão: como distinguir o falso do verdadeiro profeta? Que orientações a Bíblia nos dá quanto a isto?
2. Quais são as características do falso profeta?
2.1 - Ele é muito parecido com o verdadeiro, mas não tem o conteúdo do verdadeiro
v. 15 - Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.
Ele é um lobo disfarçado com pele de ovelha. Aparentemente ele é crente. Aparentemente ele ama ao Senhor. Aparentemente ele é um homem de grande fé, consagrado, ousado, capaz de grandes realizações. Aparentemente ele é fiel à Palavra de Deus: aparentemente suas mensagens levam as pessoas a amarem a Jesus, confiarem na graça de Jesus, se dedicarem a Jesus, aparentemente ele leva multidões a Jesus.
Quando eu digo “aparentemente”, estou dizendo que na realidade não é nada disto. Deixe-me explicar: vs. 13,14.
13 Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), 14 porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.
O problema do falso profeta não é somente as coisas que ele fala. É também as coisas que ele não fala: o falso profeta não fala do caminho estreito. Ao contrário, a ênfase é que o caminho é tão espaçoso que tem lugar prá todo mundo. O falso profeta pode falar da graça de Deus, do perdão dos pecados, do poder do Espírito Santo para uma vida vitoriosa, pode chamar todos a Jesus, dizendo: “Jesus aceita você do jeito que você é.” O falso profeta pode dizer: “Venha! Jesus é Deus, é Senhor! Ele promete suprir todas as suas necessidades! Ele liberta! Ele quebra maldições!”
Mas o falso profeta não vai dizer que “sem santificação ninguém verá o Senhor!”
Jr 6:13 e14
13 porque desde o menor deles até ao maior, cada um se dá à ganância, e tanto o profeta como o sacerdote usam de falsidade.14 Curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz.
E em Isaías 57:21, o Senhor diz que não há paz para aqueles que vivem na perversidade! Para os perversos, diz, o meu Deus, não há paz.
Agora, vejamos o que Jesus disse quando ordenou que o evangelho fosse pregado no mundo inteiro.
Lc 24:46-47
46 E lhes disse: Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia  47 e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém.
O que Jesus ordenou foi que pregassem arrependimento. Isto o falso profeta não faz.
Exemplos.:
At 14:22
(Paulo e Barnabé iam de cidade em cidade...) fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus.
O falso profeta diz: “Deus não quer que você sofra!”
Fp 4:11-13
11 Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação.  12 Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez;  13 tudo posso naquele que me fortalece.
O falso profeta: “Você é filho do Rei! Não pode ser pobre”.
Mas a mesma Bíblia que nos ensina que se prosperamos materialmente, isto é dom de Deus, também diz que muitas vezes, a fim de nos conduzir por um caminho melhor, Deus nos concede também tribulações financeiras.
Por isto Paulo muitas vezes viveu em pobreza. E também muitos servos de Deus descritos na Bíblia.
2ª Tm 4:20
Erasto ficou em Corinto. Quanto a Trófimo, deixei-o doente em Mileto.
O falso profeta: “Os filhos de Deus não podem ficar doentes”!
Fp 2:5-8
5 Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,  6 pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus;  7 antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana,  8 a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.
O falso profeta: “Reivindique seus direitos! Exija”!
Jr 10:23
Eu sei, ó SENHOR, que não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos.
Tg 4:13-15
13 Atendei, agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã, iremos para a cidade tal, e lá passaremos um ano, e negociaremos, e teremos lucros.14 Vós não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa.15 Em vez disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo.
Temos o direito de determinar o que vamos fazer, ou o que vai acontecer? Não temos.
Mas este pensamento pagão, mágico, é ensinado por muitos como se fosse a mais profunda doutrina bíblica, reservada para os mais crentes, mais espirituais.
Mc 1:14 e 15
14 Depois de João ter sido preso, foi Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho de Deus,  15 dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho.
O falso profeta: “Deus nos salva pela graça, independente das obras! Pode continuar vivendo como antes”.
2ª Co 13:5
Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não reconheceis que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.
“Não fique olhando muito para si mesmo, não seja negativo; olhe só para Jesus”. Não mostra que para entrar no céu, você tem que tomar o caminho da cruz. Não diz que você tem que negar-se a si mesmo. Não diz que você tem que abandonar o pecado. Não diz prá você obedecer os mandamentos de Deus, e fazer a vontade de Deus, ao contrário, só diz prá você confiar que Deus vai fazer a tua vontade. E que tudo o que você precisa fazer é mostrar a tua fé, entregando dinheiro.
Meus irmãos, há muitas pessoas que se apresentam com mensagens lindas: mensagens de fé, amor, confiança, consolação, vitória, liberdade, mas que sutilmente escondem o caminho apertado, estreito.
Porque fazem assim?
2.2 - Por causa do conteúdo espiritual que estas próprias pessoas têm
No v. 15, Jesus diz que estas pessoas são lobos roubadores, isto é, gente interessada em seus próprios lucros. No v. 23, que são praticantes da iniquidade: transgressores da lei de Deus.
Leiamos 2ª Pe 2:1-3
1 Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição.  2 E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade;  3 também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme.
São pessoas que, disfarçadamente promovem heresias destruidoras; que promovem práticas libertinas, isto é, uma vida sem restrições. Movidos de avareza, fazem comércio com a fé das pessoas.
Pedro fala de duas consequências: Muitos os seguirão. O evangelho será difamado
Sabe por que pregar só mensagens de vitória, paz e conforto? Porque atrai gente. Faz cair na simpatia das pessoas. Dá lucro. Dá poder. Mas há uma última razão que desejo mencionar, e que é a mais perigosa, por isto vamos ao último ponto
3. Porque os falsos profetas são perigosos
3.1 - São perigosos para si mesmos
vs. 22, 23
22 Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? 23 Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.
Eles pensam que os poderes extraordinários, a pregação, o entusiasmo, são indicações de que Deus está do lado deles. Pensam que estão salvos
3.2 - São um perigo para os outros
No v. 15, Jesus diz que são lobos roubadores. Como o ladrão que vem para roubar, matar e destruir
2ª Pe 2:18,19 nos dá um ensinamento seriíssimo :
18 porquanto, proferindo palavras jactanciosas de vaidade, engodam com paixões carnais, por suas libertinagens, aqueles que estavam prestes a fugir dos que andam no erro, 19 prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção, pois aquele que é vencido fica escravo do vencedor.  (20 Portanto, se, depois de terem escapado das contaminações do mundo mediante o conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, se deixam enredar de novo e são vencidos, tornou-se o seu último estado pior que o primeiro.  21 Pois melhor lhes fora nunca tivessem conhecido o caminho da justiça do que, após conhecê-lo, volverem para trás, apartando-se do santo mandamento que lhes fora dado.  22 Com eles aconteceu o que diz certo adágio verdadeiro: O cão voltou ao seu próprio vômito; e: A porca lavada voltou a revolver-se no lamaçal).
Conclusão e aplicação
Acautelai-vos! Tomem cuidado! No mundo há muitos! Este país tem muitos!
1. Primeiramente, uma aplicação geral: mais uma vez nós vemos a veracidade da Bíblia como Palavra de Deus.
Pois tal como disseram Jesus e os apóstolos, assim nós vemos acontecer. E se é da maneira como a Bíblia predisse, então nós devemos crer nela. E também obedecê-la. Ela não diria para tomarmos cuidado se isto não fosse uma questão de vida ou morte para nossas almas. Se uma pessoa ficar iludida com as mentiras, a sua fé no verdadeiro evangelho pode ser destruída, e ela se afastar dos caminhos de Deus. Então não é uma coisa sem importância, que tanto faz se você seguir o que eles dizem ou não: é uma questão de conhecimento da Palavra de Deus, de fé e de obediência.
2. Em segundo lugar , uma palavra a meu respeito, e de todos os que pregam
1ª Tm 4:16
Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Continua nestes deveres; porque, fazendo assim, salvarás tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes.
At 20:28-31
28 Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.  29 Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho.  30 E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles.  31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, por três anos, noite e dia, não cessei de admoestar, com lágrimas, a cada um.
Nós pregadores, precisamos constantemente examinar a nós mesmos, se estamos sendo fiéis como bons despenseiros de Deus. Precisamos nos humilhar, nos converter dos nossos maus caminhos constantemente, para não acontecer, como disse Paulo, que tendo pregado a outros, venhamos a ser desqualificados[2].
Também precisamos estar atentos ao que é falso, e alertar os irmãos quanto a estas coisas, pois um dia iremos dar contas a Deus não somente pelo que ensinamos, mas também se tivermos percebido ensinamentos errados e não tivermos vigiado sobre os irmãos.
3. Uma palavra a todos os ouvintes da pregação
Nós, os ouvintes precisamos ter cuidado de duas maneiras:
Precisamos examinar a nós mesmos sempre, a fim de verificar se realmente estamos na fé. Pedro nos faz uma advertência muito séria, quando diz que se uma pessoa toma conhecimento da verdade e volta aos velhos pecados, seu último estado se tornou pior do que o primeiro. Então precisamos nos examinar, nos julgar, a fim de ver se estamos andando no caminho estreito, de fé em Deus, de amor ao próximo, de esperança em Jesus, de santidade, que leva à salvação eterna, ou se estamos andando no caminho largo que leva à perdição.
Como disse certo homem de Deus, para o cristão, “o mundo não é um parque de diversões, é um campo de batalha”.[3] Se edificarmos nossa vida sobre palavras que não são de Deus, se confiarmos em mentiras, estaremos edificando nossa vida sobre a areia.
4. Quarto, uma palavra sobre os que não pregam o evangelho tal como a Bíblia ensina.
Estão em grande perigo. Não penso, irmãos, que sejamos melhores. Penso que muitos deles, quem sabe a maioria, começaram bem, com boas intenções.
Mas a natureza humana é terrível, o nosso coração é desesperadamente enganador, e Satanás é cheio de artimanhas. Então, à medida que os acontecimentos do ministério vão se desenrolando, em algum momento eles se desviam.
Há três coisas que precisamos fazer quanto a isto:
4.1 – Com temor e tremor, vigiar a nós mesmos: aquele que pensa estar em pé cuide para que não caia.
4.2 – Vigiar. Acautelarmo-nos, não nos deixarmos envolver por doutrinas estranhas, que parecem o evangelho mas não são.
Não nos deixarmos envolver por emocionalismos, mas manter a sobriedade. Os crentes percebem quando há alguma coisa errada.  E também não sustentar este tipo de ministério, comprando esses “kits” mágicos, ou dando ofertas. O lugar de usarmos os recursos que Deus nos dá, em primeiro lugar, é a nossa própria igreja.
4.3 – Orar pelos pregadores, tanto os que estão pregando o evangelho corretamente, como os que não estão.
Pois o nosso coração é tão enganoso, que mesmo as nossas melhores obras são contaminadas pelo pecado que ainda reside em nós. Mesmo quando, no sentido positivo, biblicamente correto, julgamos os falsos profetas, corremos o risco de abandonar o primeiro grande mandamento, e nos tornarmos “fariseus”.
Ap 2:2-5
2 Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste mentirosos; 3 e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer. 4 Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. 5 Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.
A igreja em Éfeso, sem dúvida, era uma igreja doutrinariamente firme. Primeiramente ela foi evangelizada e ensinada pelo apóstolo Paulo e seus companheiros. Tempos depois ele voltou ali e ensinou aos presbíteros o cuidado que eles deveriam ter contra falsos mestres. E depois deixou ali Timóteo, um de seus discípulos mais confiáveis. E agora, nos tempos em que o Apocalipse foi escrito, a igreja de Éfeso estava no circulo de influência direta do apóstolo João.
Doutrinariamente, então, esta igreja era conhecedora da verdade. Mas como bem sabemos, temos a tendência natural ao desequilíbrio espiritual, e esta igreja pecava por sua falta de amor. A firmeza doutrinária é indispensável à saúde espiritual, para que não sejamos como meninos inconstantes, mas o amor também.Precisamos lutar para que em tempos em que a iniquidade se multiplica, o nosso amor não esfrie. E penso eu, uma das melhores maneiras de cultivar o amor genuíno é orando em favor dos que estão no erro.




[1] Mt 10; Lc 10
[2] 1ª Co 9:27
[3] A. W. Tozer, O melhor de A. W. Tozer, cap. 18

4 comentários:

  1. Amém, glória a Deus por esta palavra cheia da graça e do amor de Deus
    Para nos exortar e nos dá força para permanecer firmes e não se desviar para o caminho largo.
    Deus os abençoe sempre no nome de Jesus Cristo o único e verdadeiro caminho

    ResponderExcluir
  2. E em Isaías 57:21, o Senhor diz que não há paz para aqueles que vivem na perversidade! – Para os perversos, diz, o meu Deus, não há paz.
    Agora, vejamos o que Jesus disse quando ordenou que o evangelho fosse pregado no mundo inteiro.
    Lc 24:46-47
    46 E lhes disse: Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia 47 e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém.
    O que Jesus ordenou foi que pregassem arrependimento. Isto o falso profeta não faz.

    ResponderExcluir

▲Topo