Achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR, Deus dos Exércitos. Jeremias 15:16

domingo, 16 de junho de 2013

As exigências de Jesus - Mt 8:18-22

Igreja Evangélica Presbiteriana
Domingo, 29 de outubro de 2012
Pr. Plínio Fernandes
Amados, vamos ler Mateus 8:18-22
18 Vendo Jesus muita gente ao seu redor, ordenou que passassem para a outra margem. 19 Então, aproximando-se dele um escriba, disse-lhe: Mestre, seguir-te-ei para onde quer que fores. 20 Mas Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. 21 E outro dos discípulos lhe disse: Senhor, permite-me ir primeiro sepultar meu pai. 22 Replicou-lhe, porém, Jesus: Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos.
Tanto por causa das coisas que fazia, como pelas que dizia, nosso Senhor estava sempre atraindo muitas pessoas. Onde quer que ele fosse havia sempre uma aglomeração seu redor. Numa destas ocasiões, vendo em torno de si uma grande multidão, ordenou aos discípulos que saíssem com ele de Cafarnaum, e navegassem para a margem sudeste do Mar da Galiléia, onde ficava a cidade de Gadara.
Então percebendo que Jesus iria partir dali, duas pessoas vieram ao seu encontro. A primeira delas foi um escriba, que disse: “Mestre, seguir-te-ei onde quer que fores”.
Mesmo se nós olharmos apenas de um ponto de vista meramente humano, não era pouca coisa o que estava acontecendo. Pois ser um escriba era pertencer a uma classe de homens muito conceituada em Israel, uma nação acentuadamente religiosa.
Os escribas eram muito respeitados entre o povo por serem homens que haviam se dedicado a conhecer as Palavras de Deus, a obedecer ao que elas ensinam, e também a transmitir este conhecimento à nação. Eles foram os originadores do culto nas sinagogas. Para que a lei do Senhor fosse preservada, a ocupação deles, considerada a mais importante, era estudar muito, sem qualquer distração. Além disto, ainda que não todos, muitos deles eram também sacerdotes, como foi o caso de Esdras, o “primeiro escriba”.
Eram reputados como pessoas de alta dedicação a Deus (e de fato assim eram, em grande número). Jesus disse que um escriba versado nas coisas do reino dos céus era como um pai de família, que do seu tesouro tirava coisas novas e coisas velhas (Mt 13:52). Por causa do conhecimento das Escrituras, também eram chamados mestres, e doutores da lei. Eles reuniam discípulos em torno de si, a quem transmitiam todo o conhecimento da lei que havia sido acumulado através de séculos de história da Israel, que mais tarde também deveriam transmitir este conhecimento a outros. O apóstolo Paulo tinha em alta conta o fato de ter sido criado aos pés de um doutor da lei chamado Gamaliel, com quem aprendera a ter um grande zelo pela Palavra de Deus.
Por estas coisas, é de admirar que este homem se aproximasse de Jesus, e usasse uma palavra que aos seus olhos tinha grande valor: “Mestre”, e acrescenta: “Seguir-te-ei. Quero ser teu discípulo. Onde quer que o Senhor for eu quero estar junto”.
Mas sabem, meus irmãos, o fato dele ser um escriba, em certo sentido é o menos relevante aqui.  Aos olhos de Jesus, a posição que uma pessoa ocupa neste mundo é coisa de menor importância: ele não se deixa impressionar se um homem é doutor em teologia, ou se é um príncipe, ou se é um homem pobre.
O que realmente é importante aos olhos de Jesus é que cada pessoa tem uma alma eterna, e que cada pessoa tem diante de si um destino eterno, que pode ser o da vida eterna ou da morte eterna. Aos olhos de Jesus a nossa alma é a coisa mais importante que temos. “De que adianta”, ele pergunta, “uma pessoa ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” Por isto ele também nos diz que veio ao mundo para buscar e salvar nossas almas, que estavam perdidas.
Então eis aqui um homem altamente respeitado em Israel, conhecedor das Escrituras, mas que chega à conclusão de que estava diante de alguém maior do que ele; alguém com quem ele precisa aprender, e que assim se coloca desejoso e humilde diante de Jesus: “Mestre, seguir-te-ei onde quer que fores”. E Jesus, que veio salvar cada pessoa que se achega a ele responde: “As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”.
Há duas coisas muito importantes nestas palavras de Jesus: uma delas é que Jesus chama-se a si mesmo de “Filho do Homem”.
O escriba havia chamado Jesus de Mestre, e ele estava certo porque ele é de fato nosso Mestre. Mas o Senhor se refere a si mesmo como “Filho do Homem”. Era talvez a sua expressão favorita (uma exploração rápida na versão Atualizada nos mostra que ela ocorre 142 vezes nos Evangelhos).
Para entender esta maneira de Jesus falar sobre si mesmo há dois textos que eu gostaria de considerar.
O primeiro está no profeta Daniel:
Dn 7:13, 14
13 Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se ao Ancião de Dias, e o fizeram chegar até ele. 14 Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído.
Aqui no texto de Mateus, quando pela primeira vez Jesus se apresenta como Filho do Homem, está indicando que ele não era apenas um Grande Mestre, mas aponta para muito mais além. Ele é o que está diante do Ancião de Dias, o rei eterno que dominará sobre todos os reindo deste mundo, e o seu domínio não passará jamais.
O segundo texto está no Evangelho de João
Jo 12:34 
Replicou-lhe, pois, a multidão: Nós temos ouvido da lei que o Cristo permanece para sempre, e como dizes tu ser necessário que o Filho do Homem seja levantado? Quem é esse Filho do Homem?
Naqueles dias, como podemos ler aqui, essa expressão era entendida explicitamente como uma referência ao Cristo, o Messias, o ser celestial a quem seria dado o reino eterno prometido em Daniel. Mas os judeus não conseguiam entender como é que o Filho do Homem deveria ser levantado da terra, isto é, tirado da sepultura, uma vez que o Cristo não morreria, pois o seu reino seria eterno. E também não conseguiam entender que estavam diante do Cristo, o Messias prometido.
E isto nos conduz a um terceiro texto, (apenas mais um eu quero considerar, dos muitos que são registrados nos Evangelhos) que descreve a maneira de Jesus vir aqui para reinar. São palavras de Jesus:
Mt 20:27, 28 
27 e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo;  28 tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.
De fato, em cada gesto seu, em cada ensinamento, em cada boa obra, em cada atitude, o Filho do Homem, o Rei Jesus estava servindo, trabalhando para aquele que nele espera. E o ponto mais alto desta sua vida de serviço humilde e amoroso seria a cruz, onde ele entregaria sua vida à morte para nos resgatar da morte.
Então, voltando ao nosso texto, quando Jesus, pela primeira vez se chama “Filho do Homem”, o que ele está dizendo ao escriba é o seguinte:
“Eu sou o rei prometido, eu sou o Cristo, eu sou o Salvador. De fato, se você me seguir, eu serei seu rei, eu serei seu Salvador, e não apenas um Mestre”.
E em seguida, a segunda parte de sua revelação:
“Mas saiba também se você quer me seguir: eu não tenho onde reclinar a cabeça”.
A outra pessoa que se aproxima ali, às margens do Mar da Galiléia, é alguém que já estava seguindo a Jesus – era um discípulo, não sabemos quem.
Mas vendo que Jesus estava prestes a partir, ele pediu:  “Senhor, permite-me ir primeiro sepultar meu pai”.
Como quem diz: “Senhor, eu tenho uma família a quem prezo. Estou ligado a eles. Quando meu pai morrer, e vou seguir o Senhor”.
Nós não sabemos quem era este discípulo, mas Jesus sabia.  E também conhecia à família deste discípulo, família que não cria em Jesus, porque ele se refere a ela como espiritualmente morta.
Então, nos conta o v. 22: “Replicou-lhe, porém, Jesus: ‘Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos’”.
Há outro momento na vida de Jesus em que uma conversa muito parecida com estas duas acontece, por isto, por causa desta semelhança de assunto, no Evangelho de Lucas esta terceira conversa é acrescentada aqui.
Vamos então ler Lc 9:61-62 
61 Outro lhe disse: Seguir-te-ei, Senhor; mas deixa-me primeiro despedir-me dos de casa. 62 Mas Jesus lhe replicou: Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus.
Os textos que temos lido não nos dizem como estes três homens reagiram. Acho que uma das razões é que através delas a Palavra eterna está nos comunicando certas verdades às quais nós precisamos responder também.
Por isto, em nossa meditação de hoje, para que tornemos bem pessoal o que o Espírito Santo está nos ensinando, eu quero te perguntar: “Você quer seguir a Jesus?” Porque o Senhor está nos dizendo que seguir a Jesus implica cumprir certas exigências. Vejamos quais são elas.
1. Renúncia – você não pode seguir ao Rei Jesus se não tiver espírito de renúncia
“Mestre, diz o escriba,  seguir-te-ei para onde quer que fores...”
E a resposta do Senhor
“As raposas têm seus covis, o lugar onde elas moram, o lugar onde se sentem protegidas, o lugar onde se abrigam e descansam. As aves dos céus têm seus ninhos.”
“Mas eu não tenho onde reclinar a cabeça”.
A Bíblia Viva diz: “Eu não tenho o meu próprio lar”.
A NTLH diz: “O Filho do Homem não tem onde descansar”.
Quer dizer: “Não tenho nada neste mundo. Não tenho minha própria casa. Não posso te oferecer comodidade, não posso dizer que se você me seguir, terá bens materiais. Se você me seguir, esteja preparado para o desconforto, esteja preparado para ser um peregrino neste mundo, esteja preparado para uma vida simples”.
Me faz pensar em certo profeta, contemporâneo de Jesus, mas que faleceu bem antes dele. Um homem tão santo que Jesus descreveu como sendo o maior de todos os homens.
Mt 11:7-9 
7 Então, em partindo eles, passou Jesus a dizer ao povo a respeito de João: Que saístes a ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? 8 Sim, que saístes a ver? Um homem vestido de roupas finas? Ora, os que vestem roupas finas assistem nos palácios reais. 9 Mas para que saístes? Para ver um profeta? Sim, eu vos digo, e muito mais que profeta.
João Batista, filho de Zacarias e Isabel, consagrado ao Senhor desde sua concepção, cheio do Espírito Santo desde o ventre de sua mãe. Mais do que um profeta comum, porque era a voz do que clamava no deserto: “Preparai o caminho do Senhor”.
O precursor de Jesus. Pregava no deserto. Não usava roupas finas. Não frequentava palácios. Não participava de banquetes, mas se alimentava de gafanhotos e mel silvestre. Não pregava no templo nem nas sinagogas, mas no deserto. A única vez que ouvimos que ele entrou num banquete, num palácio, foi quando o rei Herodes ordenou que João Batista fosse morto e sua cabeça trazida num prato.
Aliás, meus irmãos, assim também foram todos os discípulos de Jesus. Quando Pedro e João estavam chegando ao templo a fim de orar, e o aleijado pediu uma esmola, Pedro e João não tinham dinheiro algum.O único dos doze que gostava de dinheiro era Judas, que além de roubar o que havia na bolsa comum deles, também vendeu a Jesus por vinte moedas.
Hoje em dia também existem muitas pessoas que, dizendo-se seguidores de Cristo, “vendem a Jesus”, por muitas moedas.
Em todas estas coisas, e muitas outras, o Espírito Santo nos ensina que para seguir o Rei Jesus você tem que renunciar o amor aos bens deste mundo. O Espírito Santo não nos diz que é pecado ser rico, ter bens materiais, mas diz que não podemos amar o dinheiro e aos bens materiais; não podemos servir a Deus e a Mamom ao mesmo tempo. Seguir a Jesus significa estar disposto a não ter onde reclinar a cabeça. Significa estar disposto a ser pobre.
Eu sei que o que estou dizendo está na contramão dos tempos em que vivemos. Estou remando contra a maré. Fico preocupado porque os que pregam a vitória financeira conseguem atrair muitas pessoas e ainda dizem que pregadores que pregam o que eu prego (para usar uma palavra muito usada por um deles) – são “trouxas”.
Irmãos, o que está sendo feito da igreja de Cristo? Quando olham para os pastores, os apóstolos, os bispos, os obreiros, o que saem a ver? Profetas humildes, vestindo roupas humildes? Ou homens que amam palácios, que amam o luxo, o brilho, roupas de marcas famosas e caras?
Eu não me importo quando vejo um bom homem prosperando financeiramente, mas me entristeço e fico preocupado porque em vez do Evangelho da cruz, em muitos lugares, o que está sendo pregado hoje é o amor ao dinheiro. Um Evangelho que não é Evangelho, que em vez de dizer: “Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome dia a dia a sua cruz e siga-me”, é um Evangelho que diz “Siga a Jesus e você terá dinheiro” (Mas isto não é Evangelho, é anti-Evangelho). Em vez de dizer “entrai pela porta estreita”, diz, “entrai pelo caminho largo”. Mas irmãos, o caminho largo leva para o inferno.
Jesus amava o escriba? Queria salvá-lo? O que Jesus disse a ele? “Se você quer me seguir, saiba que isto tem um custo. O Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. Eu não tenho nada para te oferecer, ao não ser o reino do céu”.
Irmãos, as pessoas têm almas, almas eternas que estão se perdendo, indo para o inferno, porque só querem saber de dinheiro, não querem renunciar a nada para seguir a Jesus.
Você quer seguir ao Rei Jesus? Então você precisa, no seu coração, e aí isto se manifestará em vida, você precisa renunciar todo amor ao conforto, ao dinheiro, você precisa amar a Jesus, o seu reino, o seu Evangelho, e colocar o reino de Deus acima de tudo em tua vida.
Estou pensando no meu sogro. É um homem pobre. Nunca soube ganhar dinheiro, e nunca saberá. Mas sabe ganhar almas. Mas a maneira dele pensar revela que tipo de homem ele é, a que reino ele pertence. Muitos anos atrás, eu estava servindo a Deus em Manaus, como obreiro da Cruzada Estudantil Para Cristo.
Foi quando eu e a Terezinha nos conhecemos. Quando eu pedi à Terezinha para namorar comigo, uma das coisas que levamos em consideração na busca da vontade de Deus foi o consentimento do pai dela, pois a Bíblia diz “honra teu pai e tua mãe”.
Então, ela pediu a ele que eu pudesse lhe falar sobre este assunto, e antes de ele responder ele disse que iria orar. E alguns dias depois veio a resposta. Ele disse assim:
“Sabe, filha, o Plínio é um bom rapaz. Mas ele é um missionário, não ganha bem, e não tem morada certa. E eu não quero estas coisas prá você. Eu quero mais é que você seja feliz, e sirva a Deus...”
Mas quando disse “eu quero que você sirva a Deus”, ele começou a ficar com os olhos marejados, e continuou: “e a vida do crente é assim mesmo, não é? Então, se for a vontade de Deus que você se case com este moço, quem sou eu para dizer não? Pode, filha, você tem a minha bênção”.
2. Prioridade – também não podemos seguir ao Senhor se ele não for nossa prioridade
vs. 21, 22
21 E outro dos discípulos lhe disse: Senhor, permite-me ir primeiro sepultar meu pai.22 Replicou-lhe, porém, Jesus: Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos.
Momentos atrás eu mencionei um importantíssimo preceito bíblico: honra teu pai e tua mãe...
Este é um dever de todo o crente em Jesus. Obedecer pai e mãe. Ajudar, reconhecer, dar o devido valor. E aqui em nosso texto temos uma pessoa que parece demonstrar sinceridade quanto a isto. Ele já é um seguidor do Senhor, ali na cidade de Cafarnaum.
Mas agora Jesus vai para outra cidade, e dali para outra, e para outra. Então este rapaz pensa na sua família. E a família dele não é crente. Nós vemos isto pelas palavras de Jesus.
Então ele pede: “Senhor, permite-me primeiro sepultar meu Pai. Senhor, eu quero te seguir. Mas eu tenho pai. Meu pai não estará aqui para sempre. Deixa-o morrer primeiro, e então eu vou seguir o Senhor”.
Mas Jesus, que amava profundamente aquele homem, que o queria perto de si, e que queria dar-lhe vida eterna, respondeu: Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos.
Isto implica que Jesus sabia quem era o pai deste discípulo, e conhecia os outros familiares também. Parece também que aquelas pessoas já tinham ouvido a mensagem de Jesus mas não creram, porque Jesus diz que elas estavam mortas.
Mas como um morto pode sepultar outro morto? É que a morte da qual Jesus está falando é a morte espiritual. Como diz  apóstolo Paulo, em Efésios 2, no tempo em que não tínhamos Jesus nós estávamos mortos em delitos e pecados, fazendo a vontade da nossa carne, seguindo os nossos próprios pensamentos, e éramos, por natureza, filhos da ira.
Mas quando alguém que está espiritualmente morto, ouve o Evangelho e se converte a Jesus, então esta pessoa passa da morte para a vida.
Jo 5:24-25
24 Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida. 25 Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão.
Bem, estas pessoas com quem o discípulo de Jesus queria ficar estavam mortas em seus delitos e pecados. Não ouviram a voz do filho de Deus.
Então Jesus diz a ele: Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos. Segue-me agora. Não deixe para depois. Deixe que os mortos cuidem uns dos outros”.
Nós amamos nossos familiares, mesmo quando eles não são crentes em Jesus, e devemos amá-los mesmo. Amamos nossos amigos, nossos colegas, nossos vizinhos, e não devemos deixar de amar.
Mas não podemos viver a vida que eles vivem, pois eles estão mortos. Não podemos, em vez de seguir a Jesus agora, deixar Deus de lado, e gastar nosso tempo com gente morta em delitos e pecados.
Irmãos, aqui está uma questão de importância eterna. E muitos crentes estão pondo suas almas em perigo. Se estivessem investindo seu tempo em anunciar o reino aos mortos não seria pecado. Mas estão literalmente estão gastando seu tempo com o mundo.
Muitos que se dizem crentes, no dia do Senhor, e também em outras ocasiões, em vez de se reunir com seus irmãos estão se reunindo com os que são do mundo, para festejar. Como podemos celebrar com pessoas que não ouvem a Jesus, que estão indo para o inferno? Como festejar com eles, quando é tempo de lamentar por eles? Como participar de suas comemorações? Como pode um crente deixar Jesus de lado para participar de festas mundanas, com músicas imorais, sensuais e grotescas que agradam o diabo, rebaixam a natureza humana e ofendem a Jesus?
Meu irmão, que os mortos sepultem os seus mortos, mas que os mortos não sepultem tua alma, que os mortos não destruam tua fé. Deixe de ouvir os mortos, e ouça a voz do Senhor Jesus.
3. Firmeza de propósito – não podemos seguir ao Salvador se não tivermos firmeza de propósito
Vamos voltar ao texto de Lc 9:61-62 
61 Outro lhe disse: Seguir-te-ei, Senhor; mas deixa-me primeiro despedir-me dos de casa. 62 Mas Jesus lhe replicou: Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus.
Trabalhar com o arado, sulcando a terra, não é tarefa fácil. Não é para preguiçosos ou fracos. É trabalho cansativo, que requer perseverança, que requer olhar para frente e não se distrair com a paisagem.
Espiritualmente, o que é por a mão no arado e olhar para trás? É começar a seguir a Jesus e ficar com saudade da vida antiga. Ficar com saudade do mundo. Ficar com saudade do pecado.
Porque, irmãos, seguir a Jesus é renúncia das coisas mundanas. É renúncia a horóscopo, simpatias, santos e deuses. É renúncia a magia e consulta aos mortos. É renúncia a bailes, a jogatinas, a cigarro, a embriaguês, a adultério e prostituição. É renúncia a mentiras, cobiças mundanas, prazeres mundanos.
Ah, tempos terríveis são esses, em que certos pregadores dizem que sexo antes do casamento não é pecado, que masturbação não é pecado, que se recusam a falar contra o pecado, em que certas igrejas promovem até bailes para os jovens, com luz negra e tudo.
Tempos terríveis em que os supostos seguidores de Jesus não tomam a sua cruz, e só querem satisfazer seu próprio ego, seu próprio coração enganoso, e não dão ouvidos ao Espírito Santo falando na Palavra e no coração.
Que têm comichão nos ouvidos, que preferem linguagem persuasiva de sabedoria, e não querem ouvir a simples palavra da cruz; o Evangelho simples e eficaz que, caindo na boa terra de um coração quebrantado, produz arrependimento, fé, conversão, mudança de vida, nova criação. Evangelho que faz o homem ser homem e a mulher ser mulher. Que faz os crentes pessoas puras e castas. Que faz os crentes amantes de Deus, amantes do céu, amantes da santidade de Deus, amantes da igreja de Deus, amantes da Bíblia porque ela é Palavra de Deus, e não amantes de um livro de autoajuda.
Se você, de fato, quer seguir ao Salvador, tem que colocar a mão no arado, e não pode olhar prá trás. Se você olhar para prá trás, se quiser voltar atrás, não está apto para o reino dos céus.
Conclusão e aplicação
Será duro este discurso? Há uma canção de adoração que diz assim:
Jesus, justiça de Deus
Filho do homem, filho de Deus, seu reino vem
Jesus, Deus santo e adorado,
Crucificado, justificado, seu reino vem
Jesus é o nosso Rei, o que morreu na cruz por amor a nós, e que venceu a morte; que voltará para nós, e seu reino não findará.
Você quer seguir ao Rei Jesus? Quer entrar no reino dos céus?
1. Mas você não pode seguir a Jesus se não renuncia o amor às riquezas deste mundo, se não renuncia ao amor aos bens materiais e ao dinheiro.
As raposas têm covis, as aves dos céus tem seus ninhos, mas os que querem ser parecidos com Jesus não estão vivendo para vestir “Armani”, ter carros blindados, apartamentos luxuosos e coisas parecidas.
Se o teu coração está em coisas assim, você não está seguindo a Jesus. E pergunto: dinheiro e bens são melhores que Jesus? Não são. Então converta-se, volte-se para Deus, de todo o coração, para que você seja um verdadeiro discípulo.
2. Você quer seguir a Jesus? Quer entrar no reino dos céus?
Mas você não pode entrar no reino dos céus se estiver vivendo a vida de gente espiritualmente morta. Não pode entrar no céu se o teu prazer são os bailes, as baladinhas, as rodas de bebida, os bares, as pescarias e “churrascadas na laje” que te afastam da igreja. Não pode entrar no céu se o teu coração ama músicas do inferno, prazeres do inferno, danças do inferno.
Não deixe Jesus para seguir amanhã. Amanhã pode ser muito tarde.
Alguns dias atrás eu fiquei muito consternado com a história de uma jovem, conhecida de uma amiga da Sarinha, na faculdade. Esta jovem estava frequentando uma igreja presbiteriana com a sua avó, mas como a avó parou de frequentar a igreja, ela também parou.
Uma boa moça, de boa família. Faz pouco tempo estava saindo de casa, e foi assassinada por assaltantes.
Eu não pretendo julgar esta menina, de apenas 16 anos. Mas o que eu desejo dizer é que nós não temos a mínima ideia de quão rápida pode ser a nossa vida neste mundo.
E a Bíblia diz que depois da morte, não há uma segunda oportunidade. Depois da morte, o juízo. Não podemos deixar para servir Jesus mais tarde. Não sabemos o que será amanhã. Não sabemos o que será hoje.
Então se as pessoas mortas estão sepultando a tua alma, desperta tu que dormes, levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá.
3. Você quer seguir a Jesus, quer entrar no reino dos céus?
Então, tendo começado a seguir, não pode olhar prá trás. Não fique a olhar o mundo com saudades, não fique a desejar os prazeres do mundo, como os israelitas que ficaram com saudades da escravidão no Egito, e pereceram no deserto.
Pois ninguém que olha para trás está apto para o reino dos céus. Decida-se; seja resoluto, siga em frente. Tenha cuidado de sua alma. Ela é a coisa mais importante que você tem.

Um comentário:

  1. Muito boa essa explicação.entendi tudo agora...Deus abençoe sua vida querido

    ResponderExcluir

▲Topo