Achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR, Deus dos Exércitos. Jeremias 15:16

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Eu sou o Senhor - Êx 6:1-13

3ª IPC de São Paulo
Domingo, 26 de novembro de 2006, PM
Pr. Plínio Fernandes
Disse o SENHOR a Moisés: Agora, verás o que hei de fazer a Faraó; pois, por mão poderosa, os deixará ir e, por mão poderosa, os lançará fora da sua terra.  2 Falou mais Deus a Moisés e lhe disse: Eu sou o SENHOR. 3 Apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó como Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, O SENHOR, não lhes fui conhecido. 4 Também estabeleci a minha aliança com eles, para dar-lhes a terra de Canaã, a terra em que habitaram como peregrinos. 5 Ainda ouvi os gemidos dos filhos de Israel, os quais os egípcios escravizam, e me lembrei da minha aliança. 6 Portanto, dize aos filhos de Israel: eu sou o SENHOR, e vos tirarei de debaixo das cargas do Egito, e vos livrarei da sua servidão, e vos resgatarei com braço estendido e com grandes manifestações de julgamento. 7 Tomar-vos-ei por meu povo e serei vosso Deus; e sabereis que eu sou o SENHOR, vosso Deus, que vos tiro de debaixo das cargas do Egito. 8 E vos levarei à terra a qual jurei dar a Abraão, a Isaque e a Jacó; e vo-la darei como possessão. Eu sou o SENHOR. 9 Desse modo falou Moisés aos filhos de Israel, mas eles não atenderam a Moisés, por causa da ânsia de espírito e da dura escravidão. 10 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo: 11 Vai ter com Faraó, rei do Egito, e fala-lhe que deixe sair de sua terra os filhos de Israel. 12 Moisés, porém, respondeu ao SENHOR, dizendo: Eis que os filhos de Israel não me têm ouvido; como, pois, me ouvirá Faraó? E não sei falar bem. 13 Não obstante, falou o SENHOR a Moisés e a Arão e lhes deu mandamento para os filhos de Israel e para Faraó, rei do Egito, a fim de que tirassem os filhos de Israel da terra do Egito.
Você conhece a Deus? Para você, o que significa conhecer a Deus?
Para que você entenda melhor, se eu perguntasse aqui: – “Quantos conhecem o evangelista Billy Graham?”, alguns de vocês sinalizariam dizendo que sim. Isto porque este evangelista se tornou muito conhecido no Brasil, especialmente nos anos 70, através de várias cruzadas de pregação evangélica que ele realizou no mundo inteiro, inclusive aqui em nossa terra. Ao mesmo tempo, muitos outros de vocês não conhecem o Billy Graham.
Mas mesmo aqueles que dizem conhecer o Billy Graham, na realidade não estão dizendo que o conhecem pessoalmente. Conhecem através da televisão, ou através de seus livros, ou porque participou de algum dos seus trabalhos. Sabem quem ele é, o que ele faz, mas não o conhecem pessoalmente.
Da mesma forma, é possível uma pessoa saber quem é Deus, mas não conhecer a Deus em sua experiência pessoal.
Você conhece a Deus? Deus é real para você?
Este texto nos relata o que aconteceu quando Moisés, pela segunda vez, foi falar ao povo israelita em nome do Senhor, a prometer que em breve eles estariam livres da escravidão aos egípcios.
Os israelitas mostraram-se indiferentes às palavras do Senhor, porque pouco tempo antes Moisés fizera a mesma promessa, mas, tendo ido ao encontro do faraó e ordenado, em nome de Deus, que Israel fosse libertado, em vez da sonhada liberdade, o que o faraó fez foi aumentar-lhes o sofrimento.
No entanto, apesar do desânimo de Israel e do próprio profeta do Senhor, e apesar da dureza e obstinação do faraó, o Senhor livrou Israel.
Livrou “com mão forte e poderosa”. Livrou porque ele é Deus. Livrou porque ele havia dado sua Palavra, numa aliança que fizera desde os antepassados de Israel. Livrou porque amava seu povo.
Agora, depois de termos, em mensagens anteriores, considerado o porquê de o Senhor ter feito estas coisas grandiosas, na meditação de hoje desejo considerar o “para que”.
Quando o Senhor fez tudo isto, ele o fez, conforme o v. 7, com esta finalidade: –“Tomar-vos-ei por meu povo e serei vosso Deus; e sabereis (tanto a palavra hebraica quanto a palavra grega – na LXX – significam[1] conhecer de experiência própria, não apenas de ouvir falar) que eu sou o SENHOR, vosso Deus, que vos tiro de debaixo das cargas do Egito.”
Num certo sentido, os israelitas eram já o povo de Deus. Pois JAVÉ é o Deus da aliança, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó, o Deus das promessas. E eles eram a nação eleita, conheciam a Deus. Oravam a ele, mesmo em meio a toda a idolatria que havia no Egito.
Foi através de sua criação num piedoso lar israelita que o próprio Moisés aprendeu sobre o Senhor e chegou à conclusão de que Deus queria libertar Israel, e desejou ser usado por Deus.
Mas quando uma pessoa, ou um grupo de pessoas, está destinado a ser o povo de Deus, este pertencer a Deus passa a ser também uma experiência de vida.
É disto que o Senhor está falando aqui.
O Senhor queria que eles o conhecessem mais do que simplesmente tendo ouvido falar, mais do que simplesmente porque esta era a fé tradicional em Israel. Mas por experiência de Deus, de seu caráter, de seu poder, de suas obras.
Por isto o Senhor lhes diz: – “E quando eu tirar vocês de debaixo das cargas do Egito, então vocês saberão que eu sou o Senhor”.
Antes de Moisés, os hebreus não conheciam a Deus como o Senhor (JAVÉ) no texto hebraico (Êx 6:3).
Embora, no texto bíblico, o nome JAVÉ, que significa “eterno, aquele que é, que não muda”, seja utilizado antes do registro da vida de Moisés, isto não significa que ele já estava sendo usado na experiência dos patriarcas. Apenas significa que, quando Moisés escreve, ele estava usando o nome que o Senhor lhe revelara, e que este mesmo Deus é o que se revelara antes, como o Deus Todo Poderoso (El Shadday), a Abraão, Isaque e Jacó.
O Deus que de tempos em tempos foi se revelando cada vez mais até que se manifestou de forma plena e definitiva na pessoa de seu Filho, Jesus Cristo, o Grande EU SOU.
Mas agora, neste momento em que a revelação que Deus fez de si mesmo estava se ampliando, o Senhor diz a Israel: – Tomar-vos-ei por meu povo e serei vosso Deus, e sabereis que eu sou o Senhor, que vos tiro das cargas do Egito.
Para que vocês saibam, em sua experiência, o que significa ter a mim como seu Deus.
– Para que vocês saibam que Eu sou o Senhor, JAVÉ, o Deus eterno, o Deus da aliança.
– Assim é que eu quero que vocês me conheçam.
Esta expressão, “para que saibam que eu sou o Senhor”, aparece cerca de vinte vezes no livro do Êxodo.
Às vezes, Deus diz que o faraó, ou os egípcios vão saber que ele é o Senhor.
Mas quando ele diz que os inimigos de Israel vão saber que ele é o Senhor, nunca o faz num contexto de bênção: é sempre num contexto de julgamento, juízo e castigo para destruição.
Castigo contra uma nação idólatra, que não temia ao Senhor e que oprimia ao seu povo.
As outras vezes, quando o Senhor diz que o povo dele saberá que ele é o Senhor, esta afirmação é feita num contexto de bênção e salvação, como aqui: – “E sabereis que eu sou o Senhor, que vos tiro das cargas do Egito.”
Nesta hora nós nos dedicaremos a este aspecto: ele quer que o conheçamos como o Senhor.
Então, o que faremos é examinar, ainda que de modo breve, os textos em que ele se dirige aos seus escolhidos.
1. Para os seus escolhidos, o Senhor é Deus Salvador
Vamos começar com este aspecto da obra de Deus, porque é o que aparece em nosso texto básico – “Eu sou o Senhor que vos tiro de debaixo das cargas do Egito”.
Porque dizemos que no fato de o Senhor livrar o seu povo da escravidão aos egípcios o Senhor está se revelando como Salvador?
Vamos responder com a própria Palavra de Deus, de dois modos:
Primeiramente, com um texto específico.
Sl 106:21 - “Esqueceram-se de Deus, seu Salvador, que, no Egito, fizera coisas portentosas”,
Aqui o salmista está se referindo ao fato de em pouco tempo depois de sair do Egito Israel cometeu o pecado da idolatria.
E ao se referir à obra de Deus, julgando os egípcios, foi uma obra de salvação para Israel.
Em segundo lugar, a Bíblia usa o conceito de Deus como Salvador de um modo muito mais amplo: salvação é tudo o que Deus faz em nossa vida, ao nos livrar de situações perigosas, destrutivas.
Salvação é o que ele faz quando nos livra de pessoas más.
Salvação é o que ele faz quando nos livra de circunstâncias calamitosas, quando nos tira de um poço de lama e perdição.
Em relação aos seus escolhidos, Deus que ser conhecido como Salvador.
Assim, quando chegou o tempo predeterminado por Deus, para que na pessoa de seu Filho ele se fizesse um ser humano e habitasse entre nós, veja o nome com o qual ele se revelou:
Mt 1:20-23
Enquanto ponderava nestas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho, um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo.21 Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles. 22 Ora, tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que fora dito pelo Senhor por intermédio do profeta:23 Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco).
Gerado pelo Espírito Santo. Deus entre nós. Jesus (Salvador), porque ele salvará o seu povo (os seus escolhidos) dos pecados deles.
Sim: Jesus é o que nos salva dos nossos pecados. Salva da condenação do pecado. Salva do poder escravizador do pecado. Salvará da presença do pecado. Salva do poder de Satanás. Salvará do juízo de Deus no diz do juízo final, o juízo que recairá sobre aqueles que não creram, que não obedeceram ao Evangelho.
Escolhido de Deus, é assim que você deve conhecê-lo: como teu Salvador, aquele que o perdoa, que o livra de seus pecados, do poder do mundo e de Satanás.
2. Além disto, em relação aos seus escolhidos, o Senhor quer ser conhecido como aquele supre as suas limitações
Êx 4:10-12
Então, disse Moisés ao SENHOR: Ah! Senhor! Eu nunca fui eloquente, nem outrora, nem depois que falaste a teu servo; pois sou pesado de boca e pesado de língua. 11 Respondeu-lhe o SENHOR: Quem fez a boca do homem? Ou quem faz o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o SENHOR?  12 Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar.
Que maravilha! O Senhor escolheu este homem, Moisés, tão desejoso de ser um instrumento, uma bênção nas mãos de Deus para com Israel. Mas ao mesmo tempo tão cônscio de suas limitações, de suas incapacidades.
– “Senhor, eu sou pesado de língua.”
– “Eu nunca tive facilidade para falar.”
– “Não sou um homem eloquente.”
– “Nunca fui, nem agora que começas-te a falar comigo.”
E o Senhor lhe pergunta: – “Moisés, que colocou a boca no homem? Quem fez cada ser humano, com todas as peculiaridades físicas que lhe são próprias? Mesmo aquele que é cego, ou aquele que é mudo, ou aquele que é surdo? Não sou eu? Quem fez você? Não sou eu?”
– “Então, Moisés, não se preocupe com o fato de que você não é eloquente. Apenas saiba que eu irei com você, que eu estarei ao seu lado, ensinando a você o que você há fé fazer e dizer.”
Interessante: o Senhor não tocou nos lábios de Moisés para que Moisés se tornasse eloquente. Não fez dele um orador, como Apolo. Não fez de Moisés um homem autoconfiante. Aliás, para o resto da vida, Moisés nunca foi autoconfiante. Em todo o tempo ele só contava com Deus.
Senhor, se a tua presença não for conosco, nem nos faça sair deste lugar.
E era isto tudo o que Moisés precisava; ele não precisava ser um homem de grandes capacidades. Ele precisava que o Senhor estivesse com ele a cada momento.
Muitas pessoas entendem que para servir a Deus precisam estar capacitadas, ou de modo natural, através de cursos, treinamentos e coisas parecidas, ou através de realizações miraculosas.
Não estou negando a validade de experiências com Deus, tampouco estou negando a importância dos estudos e treinamento teológicos.
Mas estou dizendo que o Senhor não muda nada em Moisés, não tira a sua melancolia, não o torna eloquente. Apenas diz: – Eu estarei contigo, e te ensinarei...
O dom que Moisés precisava era o Espírito de Deus andando com ele. O Espírito do Senhor seria a sua força, a sua capacidade, a sua sabedoria.
E é assim que ele quer ser em tua vida: que você seja apenas uma pessoa dependente do Espírito dele:
1ª Co 2:9-13
Mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.  10 Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. 11 Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus.  12 Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. 13 Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais.
3. Em terceiro lugar, na vida de seus escolhidos, ele quer ser conhecido como o Senhor que os restaura
Êx 15:26
Se ouvires atento a voz do SENHOR teu Deus, e fizeres o que é reto diante dos seus olhos, e deres ouvido aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade virá sobre ti, das que enviei sobre os egípcios; pois eu sou o Senhor, que te sara.”
Pois por causa da dureza de coração de faraó e dos egípcios, o Senhor enviara pestes sobre eles e sobre a sua terra.
Mas se Israel prestasse atenção no que Deus estava falando, se no seu coração temesse ao Senhor e andasse nos seus caminhos, então os males que ele enviou contra o Egito não seriam enviados contra o seu povo.
E por quê? Porque o poder de curar e de ferir está nas mãos de Deus. Em todos os sentidos
Por favor, preste atenção: com isto ele não está dizendo que, uma vez que você faz parte do povo escolhido, nunca terá doenças
Mas que se você andar com Deus, nunca as doenças serão enviadas como juízo, como castigo.
É possível que um filho de Deus fique enfermo, e não seja por castigo. Mas seja qual for a razão, se isto acontecer, ele pode e deve buscar ao Senhor pedindo cura.
Tanto em nossas enfermidades do corpo, como das emoções, como a enfermidade do pecado, é no Senhor que podemos encontrar cura.
Veja a gratidão descrita por Davi
Sl 103:1-7
Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga ao seu santo nome. 2 Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios. 3 Ele é quem perdoa todas as tuas iniquidades; quem sara todas as tuas enfermidades; 4 quem da cova redime a tua vida e te coroa de graça e misericórdia; 5 quem farta de bens a tua velhice, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia.  6 O SENHOR faz justiça e julga a todos os oprimidos.  7 Manifestou os seus caminhos a Moisés e os seus feitos aos filhos de Israel.
Jeremias lamenta que o povo de seus dias não queira buscar ao Senhor para ser curado.
Jr 8:21-22
Estou quebrantado pela ferida da filha do meu povo; estou de luto; o espanto se apoderou de mim.  22 Acaso, não há bálsamo em Gileade? Ou não há lá médico? Por que, pois, não se realizou a cura da filha do meu povo?
Por outro lado, quando Judá e Efraim reconhecem os seus pecados tomam a decisão de buscar ao Senhor
Os 6:1-2
Vinde, e tornemos para o SENHOR, porque ele nos despedaçou e nos sarará; fez a ferida e a ligará.  2 Depois de dois dias, nos revigorará; ao terceiro dia, nos levantará, e viveremos diante dele.
Assim, em todos os sentidos, sejam espiritual, físico, emocional, o Senhor quer ser conhecido como o Senhor que te sara.
Você precisa de cura? Você precisa de restauração?
Veja o segredo: “Ouça atentamente a voz do Senhor, para andar nos caminhos dele. E você saberá que ele é o Senhor que te sara.”
4. Para os seus escolhidos, ele é o Senhor que habita no meio deles
Êx 29:41-46
Este será o holocausto contínuo por vossas gerações, à porta da tenda da congregação, perante o SENHOR, onde vos encontrarei, para falar contigo ali.  43 Ali, virei aos filhos de Israel, para que, por minha glória, sejam santificados,44 e consagrarei a tenda da congregação e o altar; também santificarei Arão e seus filhos, para que me oficiem como sacerdotes.  45 E habitarei no meio dos filhos de Israel e serei o seu Deus.  46 E saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus, que os tirou da terra do Egito, para habitar no meio deles; eu sou o SENHOR, seu Deus.
Havia toda uma série de cerimônias religiosas: um lugar consagrado, os ritos, os sacrifícios, as pessoas especialmente separadas e consagradas.
Por meio de todos aqueles rituais religiosos, que não eram de forma alguma meras formalidades, algo muito especial acontecia: o Senhor vinha, e falava com Israel
E Israel, ao ouvir os sacerdotes de Deus, saberia que o Senhor estava no meio deles
Lembram-se do ensino da Carta aos Hebreus? Todas aquelas cerimônias nas quais Deus se fazia realmente presente, apontavam para Jesus Cristo.
Tal como acontece agora quando cultuamos a Deus, quando a ele dirigimos nossas orações; quando pregamos a sua Palavra. Sim: no culto que prestamos, conforme descrito na Bíblia, em espírito em verdade, Deus se faz presente
Você se lembra de qual é o outro nome de Deus, usado em Mt 1, para descrever Jesus? “Emanuel”, que quer dizer “Deus conosco”.
5. Ele quer ser conhecido entre nós como o Deus que nos santifica – que nos separa dos demais, para que sejamos o povo dele
Êx 31:12-13
Disse mais o SENHOR a Moisés:13 Tu, pois, falarás aos filhos de Israel e lhes dirás: Certamente, guardareis os meus sábados; pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o SENHOR, que vos santifica.
Não precisamos ficar pensando que aqui o Senhor está se referindo ao dia da semana que hoje, em nossa cultura chamamos de sábado, pois a palavra hebraica quer dizer simplesmente “descanso”.
Mas o sétimo dia, o povo todo do Senhor, não cada um escolhendo qual seria o seu sábado, não cada um fazendo como bem achasse melhor, mas o povo como um todo, deveria santificar, ou melhor, deveria  reconhecer como santificado por Deus, e um sinal da aliança que havia entre eles.
De acordo com a Bíblia, desde o princípio da criação Deus abençoou o sétimo dia, e agora na aliança com Israel ele estabeleceu que este dia abençoado seria guardado um sinal da aliança entre ele e seu povo.
Este sinal seria, aqui em Êx 31, para que Israel soubesse que era um povo santificado por Deus
Mais tarde, depois da ressurreição de Jesus, este dia separado passou a ser o primeiro dia da semana, que em português, através da língua latina, veio a se chamar “domingo”, o dia do Senhor.
Como Israel deve entender o dia do Senhor?
Is 58:13, 14 (Você deve ler à luz do Novo Testamento)
Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do SENHOR, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falando palavras vãs,14 então, te deleitarás no SENHOR. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do SENHOR o disse.
Amados, sabe o que acontecia com Israel em tempos de indiferença para com Deus? Eles também ficavam indiferentes para com o dia do Senhor.
Cada um fazia a sua própria vontade, seguia a sua própria cabeça. E a distinção que havia entre Israel e os outros povos desaparecia.
Lembram-se do que têm invariavelmente acontecido através de toda a história da igreja, em tempos de frieza e mundanismo? Os crentes ficam indiferentes para com o domingo. O dia do Senhor se torna dia de diversão, de brincadeiras, para outros, de comércio. Cada um faz o que acha melhor. A igreja e o mundo vivem do mesmo modo. O Espírito se afasta, a igreja sofre, e a cura demora, pois o povo do Senhor não está atentando para as Palavras do Senhor, e neste caso, por obstinação do coração.
Mas quando a igreja compreende que a bênção que é o dia do Senhor, e o ama, e ouve a voz do Senhor, como diz Isaías, a cura brota sem demora.
Conclusão e aplicação
Mas Deus, o Senhor JAVÉ, o Grande EU SOU, quer ser conhecido do seu povo. Quer ser para seu povo o Deus viúvo, e não apenas um ídolo que não fala, não salva, não anda, não cura.
Ele é o Deus eterno que liberta, o Deus que está sempre ao lado, ensinando, encorajando, fortalecendo, o Deus que cura as feridas, que restaura as vidas, o Deus que fala, o Deus que santifica. O Senhor, nosso Deus, é Deus maravilhoso.
Veja como você, crente em Jesus, é uma pessoa privilegiada. Você é um escolhido, não para a condenação, mas para a salvação. Ame ao Senhor, ame sua salvação, ame sua presença. Ame sua Palavra: seus mandamentos, suas promessas. Ame o ministério da igreja, ame o dia do Senhor. São bênçãos que ele dá aos seus escolhidos.
Ouça sua voz, porque os escolhidos dele ouvem a sua voz. Busque ao Senhor e ao seu poder. Busque a sua presença perpetuamente.


[1] Heb. yada; greg. LXX – gnoskete.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Sem ira - 1ª Tm 2:8

3ª IPC de São Paulo
Domingo, 13 de maio de 2007
Pr. Plínio Fernandes

Quero, portanto, que os varões orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira e sem animosidade.

Você se lembra quando foi a última vez que você ficou irado? Com quem? Ou, por causa de quem? Ou por causa do que?
Quando Paulo escreveu esta carta, ele estava, provavelmente na Macedônia, ao norte de Grécia, e Timóteo desenvolvia o seu serviço pastoral na Igreja em Éfeso.
Timóteo havia ficado ali, enquanto Paulo viajava para a Macedônia, porque a Igreja em Éfeso carecia de seu ministério.
Paulo pretendia ir para Éfeso também, mas enquanto isto não acontecia, ele escreveu para Timóteo, instruindo sobre como ele deveria realizar seu trabalho, e como a igreja deveria, de modo geral, desenvolver sua vida diária diante de Deus.
Por isto esta é uma das três cartas escritas pelo apóstolo Paulo, que são conhecidas como “Epístolas Pastorais”. As outras duas são 2ª a Timóteo e a carta a Tito.
O final de cada uma delas nos mostra que são cartas escritas para os pastores, que deveriam ser lidas perante as igrejas.[1]
O propósito desta carta está registrado no cap. 3
3:14,15 – “Escrevo-te estas coisas, esperando ir ver-te em breve; para que, se eu tardar, fiques ciente de como se deve proceder na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade.”
A igreja, ele diz, é a casa que pertence a Deus; a casa do Deus Vivo, que habita nela e está no meio dela; ela é a coluna, a sustentação da Verdade de Deus no mundo.
É desta perspectiva que apóstolo de Jesus ministra estas instruções.
Se a igreja é a casa do Deus vivo, a proclamadora da Palavra da Verdade, como é que o pastor dela deve trabalhar? E como é que as pessoas da igreja devem viver?
E pensando nisto é que ele ministrou as instruções que temos diante de nós.
Antes de mais nada, antes de qualquer outra coisa, eu exorto a que se use a prática da oração (vs. 1 a 7).
– Orem por toda classe de pessoas.
– Orem pelo bem da igreja, para que possamos ter uma vida tranqüila, piedosa, mansa.
– Orem pelo bem do mundo, porque Deus tem prazer em que os homens sejam salvos.
– Orem para agradar a Deus. Pois isto é bom e agradável diante de Deus.
– Orem muito.     
– Levantem mãos santas diante de Deus – o levantar as mãos era um gesto simbólico que as pessoas faziam, expressando assim o voltar-se do coração e da mente, o voltar-se da alma em direção aos céus.
Levantem mãos santas diante de Deus intercedendo por toda classe de homens...
Pois, se orar, irmãos, é falar com Deus, a oração é então algo muito apropriado para os homens de Deus, os homens da casa do Deus vivo.
E assim o Espírito Santo nos ensina por quem orar, e por que orar.
Vocês são povo de Deus? Ouçam a voz do Espírito: – Quero que os homens orem.
Nesta noite eu desejo meditar com vocês a respeito de uma instrução fundamental para que nossas orações sejam atendidas.
v. 8 – Quero, portanto, que os homens oram em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem animosidade.
A palavra animosidade significa contenda, discussão, altercação. A contenda é filha da ira. Se você está em contenda com os homens não queira conversar com Deus
Quando você for orar, examine o seu coração. Porque você deve orar sem ira
Um coração limpo é condição indispensável para que o Senhor receba a nossa oração.
1. O que é ira?
A ira é uma reação emocional, de insatisfação, de desprazer, diante de algo que contraria as nossas disposições interiores. Ira é indignação.
Assim como todas as outras emoções, a ira tem origem na maneira como interpretamos os acontecimentos à nossa volta.
A ira, em si mesma, é uma emoção boa, e neste mundo onde existe pecado, podemos dizer também que é necessária.
1.1 – Primeiramente podemos dizer que a ira, em si mesma, é uma emoção boa, porque ela é um reflexo da imagem de Deus em nossa personalidade.
Pois quando Deus criou a humanidade, conforme ele mesmo nos ensina, ele a criou segundo à sua própria imagem e semelhança. De acordo com o ensino do apóstolo Paulo isto que dizer que Deus nos criou como seres com capacidades morais, de discernir o que é certo e o que é errado. Usando as palavras do apóstolo: Deus nos criou em justiça e retidão procedentes da verdade.
Desta mesma maneira, Deus nos criou como seres que amam aquilo que é bom. Porque santidade inevitavelmente implica em amor pelo que é justo, amor pelo que é correto.
E quando se ama o que é justo, é claro, odeia-se aquilo que é injusto.
Veja o testemunho que o Espírito Santo nos dá a respeito do caráter de Deus

Sl 7:11
Deus é justo juiz, Deus que sente indignação todos os dias.
Deus é justo. E como neste mundo decaído acontecem injustiças a todo instante, Deus se sente indignado todos os dias.
Outras traduções da Bíblia usam palavras mais fortes ainda:
A ARC diz:  “um Deus que se ira todos os dias...”
E a NVI: “um Deus que a cada dia manifesta o seu furor...”
Ora, se fomos criados à imagem de Deus, com a capacidade não somente de discernir, mas também de amar a justiça, e se a ira é uma expressão deste amor pela justiça, ela é, em si mesma, uma emoção boa, assim como as demais.

1.2 – Ao mesmo tempo, podemos afirmar que a ira, como uma emoção boa, é uma reação necessária num universo decaído e marcado pela injustiça.

Por exemplo:
Pv 25:23 – O vento norte traz chuva, e a língua fingida, o rosto irado.
Existem muitos exemplos desta ira justa no comportamento de Deus; e também no comportamento de Jesus.
Mas há um problema com a ira humana:
É que o ser humano, por ter se tornado, ele mesmo, um ser injusto, não é capaz de ter uma ira completamente santa, mesmo quando se sente indignado diante da injustiça.
Por isto então o Espírito Santo nos exorta, não no sentido de que nunca podemos ficar irados, mas que devemos cuidar para que nossa ira não se transforme em pecado.
Ef 4:26 – Irai-vos e não pequeis...
Isto indica que a ira, em si mesma, não é necessariamente pecaminosa.
No entanto, ele nos adverte no sentido de que a ira não deve perdurar. Se acontecer dela continuar, isto, em si mesmo, já se torna pecado.
Paulo escreve que devemos orar sem ira. Isto significa que, em nosso dia a dia, antes da próxima oração que vamos fazer, precisamos examinar nosso coração.
Se devemos orar sem ira, e se a oração deve ser algo que realizamos constantemente, então significa que devemos tratar com a ira eliminando-a de nossa vida rapidamente.
2. Porque devemos tratar com a ira rapidamente?
A Palavra inspirada nos apresenta algumas razões.
2.1 – Muitas vezes, ela é causada por motivos injustos:
Por exemplo, Caim, que ficou irado contra seu irmão, porque as obras de seu irmão era justas, e as dele, injustas
Jonas, que ficou irado com Deus, porque Deus salvou os ninivitas. Então o Senhor perguntou lhe perguntou:
– É razoável a tua ira?
A resposta é que não era. Jonas não tinha uma boa razão para estar irado.
A ira muitas vezes é causada pelo ciúme, pela inveja e pecados parecidos.
Nestes casos, até a ira é, em si mesma, algo pecaminoso, e nesta condição ela deve ser abandonada imediatamente, assim que for desmascarada.
2.2 – Outra razão é que mesmo quando causada por um motivo justo, ela é manchada por nossa injustiça.
Deus não conserva para sempre a sua ira.
Sl 30:4-5 – Salmodiai ao SENHOR, vós que sois seus santos, e dai graças ao seu santo nome. 5 Porque não passa de um momento a sua ira; o seu favor dura a vida inteira. Ao anoitecer, pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã.
É assim que Deus trata conosco. Mas nossa inclinação natural não é de agimos assim.
Por natureza, tendemos a guardá-la, e ficamos alimentando-a mesmo que muito tempo se passe. Isto não nos faz bem algum.
Certa vez eu ouvi um irmão dizer que, se você fica alimentando, em sua alma, ódio contra alguém, é como se você tomasse um copo de veneno esperando que o seu inimigo morra, mas quem morre é você.
2.3 – O que a ira humana faz
Tg 1:19,20 – “Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.  Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus.”
Tiago, assim como Paulo e toda a Bíblia, admite que a ira é uma possibilidade.
Agora, ao mesmo tempo em que o Espírito Santo nos diz que, quando ficarmos irados, devemos fazer com que esta ira acabe logo, ele também diz que nós devemos demorar a ficar irados.
Todo homem seja tardio para se irar. O melhor é não ficar irados.
E a grande razão é que a ira humana não produz, não realiza a justiça de Deus.
Se o reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo, a ira humana não trás o reino de Deus, não faz com que a vontade de Deus seja realizada na terra.
Ao contrário, os resultados da ira humana são outros.
Vamos mencionar alguns:
Pv 29:22 – O iracundo levanta contendas, e o furioso multiplica as transgressões.
O iracundo coloca as pessoas umas contra as outras, e se os homens tiverem cometido pecados, o iracundo só faz com que estes pecados aumentem
Pv 21:19 – “Melhor é morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e iracunda”
Uma pessoa iracunda se torna um grande desconforto na vida de outras. As outras sentem o desejo de ficar distantes
Pv 16:28 – “O homem perverso espalha contendas, e o difamador separa os maiores amigos”
Devemos dominar a ira
Gn 4:1-8 – 1 Coabitou o homem com Eva, sua mulher. Esta concebeu e deu à luz a Caim; então, disse: Adquiri um varão com o auxílio do SENHOR.  2 Depois, deu à luz a Abel, seu irmão. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim, lavrador.  3 Aconteceu que no fim de uns tempos trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao SENHOR.  4 Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta;  5 ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante.  6 Então, lhe disse o SENHOR: Por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante?  7 Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.  8 Disse Caim a Abel, seu irmão: Vamos ao campo. Estando eles no campo, sucedeu que se levantou Caim contra Abel, seu irmão, e o matou.
O Senhor está falando com Caim. Na realidade, um homem que, embora fosse religioso, não era um filho de Deus, conforme nos diz a primeira carta de João.
Mas mesmo para um homem que não conhecia verdadeiramente a Deus, o Senhor dá esta ordem: você é responsável por lidar com o pecado em sua vida.
O pecado é apresentado aqui como se fosse um animal que estivesse à espreita, pronto para atacar. Se você não dominar o pecado ele destruirá você.
A ira, em si mesma não precisa ser pecaminosa. Mas se você não dominá-la, certamente ela destruirá sua alma.
Acontece que tudo em Caim manifestava o seu coração não convertido. Vemos o que aconteceu em seguida: depois que Deus lhe falou, ele convidou seu irmão Abel para um passeio no campo, e ali o assassinou.
Conforme João, é que Caim tinha uma natureza assassina.
Mas preste atenção: você precisa dominar o pecado em sua vida, senão ele te dominará, e te dominando, ele te destruirá.
Por isto a exortação do Espírito Santo também no salmo: – Deixa a ira, abandona o furor, não te impacientes; certamente isto acabará mal.
3. Como lidar com a ira
Eu desejo citar duas breves instruções do Espírito Santo sobre como lidar com a ira:
3.1 – Fale a verdade consigo mesmo
Sl 4:4 – Irai-vos e não pequeis; consultai no travesseiro o coração e sossegai.
ARC – Perturbai-vos e não pequeis; falai com o vosso coração sobre a vossa cama e calai-vos.
Converse com seu próprio coração. Pergunte para ele:
– “Meu coração”, por que você está irado? Com quem? Você tem razão para estar assim?
Faça quantas perguntas você puder para descobrir como argumentar consigo mesmo.
Decida-se, a seja qual for a razão, você não vai deixar a ira tomar conta de sua vida.
Fale com o seu coração e sossegue.
Se você tiver que tomar alguma atitude, peça que o Senhor lhe ensine o que você deve fazer, mas sem ira, porque a ira humana não produz a justiça de Deus.
Se for em casa, primeiro você precisa vencer a ira. Se for no trabalho, se for na igreja...
3.2 – Faça do Senhor o centro de sua atenção
Sl 37:1-8 – 1 Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniqüidade.  2 Pois eles dentro em breve definharão como a relva e murcharão como a erva verde.  3 Confia no SENHOR e faze o bem; habita na terra e alimenta-te da verdade.  4 Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração.  5 Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará.  6 Fará sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito, como o sol ao meio-dia.  7 Descansa no SENHOR e espera nele, não te irrites por causa do homem que prospera em seu caminho, por causa do que leva a cabo os seus maus desígnios.  8 Deixa a ira, abandona o furor; não te impacientes; certamente, isso acabará mal.
Preste atenção nas palavras centrais: Agrada-te do Senhor, confia no Senhor
Faça do Senhor a sua atenção. Desvie o foco. Pense em Deus e tenha prazer nele.
E Deus irá cuidar das coisas para você
Aplicação
Antes de sua próxima oração, examine o seu coração.


[1] 1a Tm 6:21; 2a Tm 4:22; Tt 3:15
▲Topo